10 detalhes de acabamento que uma gráfica pode te oferecer

Acabamentos gráficos, dobra, faca especial, hot stamping, impressão, laminação, refileverniz, verniz total, vinco… As gráficas têm de tudo!

O universo das gráficas possui acabamentos que valorizam seu projeto gráfico conforme o objetivo do que se deseja imprimir. A cada dia que passa, novos acabamentos e novas tecnologias para impressão chegam ao mercado – por isso o volume de ideias para folders, flyers, cartazes, cardápios e demais materiais impressos é vasto.

acabamentos

Para te ajudar a não se perder na hora de escolher um detalhe que vai dar um UP no seu material, a Boa Impressão selecionou 10 acabamentos incríveis que vão tornar o seu material ainda mais sofisticado e bonito:

Refile

É o mais chamado “corte”, o acabamento mais tradicional. Muito utilizado para acabamento de um projeto, o refile deixa tudo no formato final através de cortes lineares. Sabe aquelas cruzes que aparecem em um arquivo, junto coma arte? Estas marcações servem para o refile cortar no local correto. Folders, panfletos, cartazes e cartões de visita agradecem!

Dobra

dobra

A dobra é um processo automatizado muito comum para materiais que precisam de duas ou mais páginas, como folders, catálogos, revistas, livros e agendas! Vale ficar atento com a gramatura do papel, pois quanto mais grosso, mais complicado será conseguir que a dobra seja bem-feita. Muitos utilizam papel 150g, que é grosso o suficiente para manter o produto firme e permite que a dobra aconteça de maneira prática.

Ao montar um folder que possua dobras, é importante que o designer esteja atento com as áreas de dobra e à margem de segurança de textos, fotos, ilustrações e por aí vai. Ao fazer a dobra, a máquina pode variar em torno de 2 a 3 milímetros para cada lado, ou seja, se não houver uma margem securitária no local onde o folder será dobrado, a dobra vai prejudicar o texto ou qualquer elemento fundamental para o folder

Vale lembrar que a dobra dá o acabamento ao material para mudar seu formato. Por exemplo, uma folha A3 com uma dobra vertical central passa a ter o formato fechado de uma folha A4.

Vinco

Ainda falando um pouco sobre o ítem anterior, o vinco nada mais é do que a marcação feita no papel que vai servir como guia para a dobra. É um processo de pré-dobra indicado para papéis de altas gramaturas, que possuem uma resistência maior que e podem “quebrar” com a dobra. É muito comum um papelão, ao ser dobrado, se romper no processo. Geralmente é aplicado em papéis a partir de uma gramatura de 200g. Esta marcação feita no papel facilita a dobra destes papeis mais resistentes.

É um acabamento gráfico de baixo custo encontrado em folders, cartões, embalagens e convites. O vinco não pode ser usado em produtos com verniz, pois ele quebra essa laminação e o resultado acaba sendo um produto danificado.

Verniz

verniz

Esse acabamento é usado para proteger e dar mais brilho ao material, ou seja, dá aquele brilho! Trata-se de uma tinta de alto brilho aplicada no papel durante a impressão. Pode ser feito somente nas capas e/ou internamente. Ele pode ser usado também em materiais que possuem grande áreas em preto, para que não fiquem marcas de dedo no papel.

Quase todos os materiais impressos possuem algum tipo de acabamento, como laminação ou outras categorias de vernizes que formam uma espécie de camada ou película transparente sobre diversos materiais disponíveis para impressão. É garantia de brilho e proteção do material impresso contra umidade e sujeira, fazendo com que a vida útil aumente.

No entanto, é importante alguns cuidados para garantir a vida útil do seu impresso para passar profissionalismo, credibilidade, cuidado e organização.

O resultado do produto pode não ser tão bom, mas o acabamento eleva a sua qualidade, agradando e cumprindo o seu papel.

O verniz é um material bem versátil. Para papéis de gramaturas baixas, que costumam ser mais frágeis a impressões, o ideal é usar muito bem o verniz que pode ser:

Verniz à base de óleo – Parece com as tintas convencionais e dá ou um aspecto brilhoso, ou um aspecto fosco ao material. É composto por resinas de óleo e tem baixo custo se comparado com outros materiais. É feito à base de óleo, então é bastante resistente à umidade, o que aumenta potencialmente a sua durabilidade. Precisa ter cuidado apenas na secagem que demora mais que a de outros tipos de vernizes – e vai adquirindo um tom amarelado com os danos naturais e o passar do tempo.

É muito buscado para rótulos e embalagens, pois esses produtos geralmente enfrentam a umidade e o material à base de óleo é resistente neste caso.

Verniz à base de água – Mistura de água e outros aditivos em seu processo de fabricação que precisa de secagem após a aplicação. Vale lembrar que essa secagem é alcançada de maneira rápida, por conta da própria base com água. O efeito é de brilho ou fosco ao material impresso – ideal para um brilho sutil que consiga proteger o material.

Verniz Localizado

No caso do verniz localizado, essa tinta de alto brilho vai ser aplicada somente em determinados locais do impresso. Neste caso, é papel do designer encaminhar as “máscaras” nos locais em que o verniz precisa estar. É uma aplicação manual, quase artesanal, que acontece depois da impressão – e é mais caro justamente por este detalhe. O resultado é um produto sofisticado e criativo.

Laminação

Estamos falando de uma película plástica aplicada diretamente no papel para feito fosco ou brilhante. O interessante é a textura aveludada que a laminação fosca imprime no material enquanto a laminação brilhante faz o efeito contrário, dando destaque às cores. Essa técnica de acabamento é muito buscada para capas de livros, revistas, catálogos e até mesmo cartões de visita, catálogos, pastas, entre outros.
Relevo

Para fazer um relevo, o material precisa ser confeccionado com gramatura mais alta, de preferência acima de 180g. E pode ser relevo alto ou baixo, depende do objetivo que se quer alcançar (lado criativo) e a variação depende da direção em que o papel será pressionado. No processo, após a impressão, a gráfica dá destaque em um determinado elemento que precisa ser destacado.

folders em que a marca está e alto-relevo, tem cartazes que possuem uma parte da arte em baixo-relevo, como um detalhe na imagem. O material ganha ares modernos com texturas diferentes ao impresso tradicional.

Vale lembrar que este acabamento tem um valor mais elevado, pois pode ser feto com tinta (Relevo Americano) ou sem tinta (Relevo Seco). Um exemplo de relevo pode ser visto em convites de casamento, capas de catálogos e cartões de visitas. Vale a criatividade.

Hot Stamping

hotstamping

Proporciona efeitos metálicos às impressões, deixando detalhes prateados ou dourados no seu material. O conceito é de criar embalagens e materiais atraentes, funcionais e que façam que a marca seja lembrada. Hot Stamping é uma impressão a quente que cria este efeito metalizado em relevo, ou seja, seu material vai chamar atenção.

É muito usado em logos, embalagens e qualquer detalhe que se queira “iluminar”. O processo é conhecido como “gravação a quente”, pois é utilizado calor sobre uma fita metálica no ponto da impressão – e esse calor transfere a textura para o papel. Você pode encontrar Hot Stamping em convites de casamento, catálogos e revistas especiais.

Bordas Arredondadas

bordas arredondadas cartão de visita

Tradicional acabamento criado, como o nome já diz, para arredondar as bordas do impresso. Sim, este é um diferencial e tanto na hora de distribuir seu folder, pois o produto vai chamar a atenção pelo formato diferente. Neste acabamento, todos os cortes acontecem pela pressão da máquina no papel de forma manual ou, em grande escala, automática.É possível, ainda, escolher quantos cantos deseja arredondar, deixando a criatividade da sua equipe de criação voar alto.

Faca Especial

faca especial

Este é um acabamento mais caro, porém exclusivo. A faca especial nada mais é do que um corte que sai dos formatos tradicionais. Depende do seu objetivo (pode ser um folder no formato de uma folha de árvore, por exemplo) e está nas mãos do seu designer, com liberdade total para criar uma faca especial. É um produto mais caro, é verdade, mas o resultado será único. Reforçando que este recurso deve ser orçado à parte e pode encarecer bastante o valor final.

Cartão de Visita: Saber como fazer, como usar, como imprimir. Vai trazer diferença para o sucesso do seu negócio!

A maioria dos empresários, prestadores de serviços, vendedores, etc… já ofereceram e receberam um cartão de visita. Aliás, eles existem desde o século XVII, que eram de jogos, depois de saudação e na sequência passaram a representar status social. Pessoas importantes tem cartão de visitas.

Cartão de Visita

Mas como tirar o melhor proveito desta importante ferramenta?

Preparamos um tutorial completo para que você escolha a melhor impressão dos cartões de visita e a partir disso tenha ainda mais sucesso nos seus negócios, vamos lá?!

Para que serve o cartão de visita?

O Cartão de Visita de uma pessoa e de uma empresa representa a imagem que ela carrega junto aos futuros clientes, prospects, fornecedores e parceiros comerciais. Um cartão de visita bem feito, além do nome, cargo, contato, email, telefone da pessoa, deve também carregar os valores que ela representa.

Um cartão de visita será lembrado junto com a pessoa que o entrega, então ele deve ser tão bom quanto aquilo que ele se propõe vender. Lembre e se pergunte: qual é a imagem que esse cartão de visita deve representar?

Como o prospect ou futuro cliente vai lembrar de você ao pegar o seu cartão de visitas em mãos e posteriormente em seu escritório?

Isso é muito importante, e para isso serve um cartão de visita. Para fazer você ser lembrado.

Agora que você tem essa informação já se perguntou qual imagem o seu cartão deixa de você? A de um profissional desleixado com um cartão impresso de qualquer maneira e em qualquer papel? Ou a imagem de alguém preocupado com os detalhes e que com certeza vai trazer o melhor resultado caso seja contratado?

Isso é muito importante e irá fazer a diferença em curtíssimo prazo.

Quem precisa do cartão de visita?

Se a gente escrever, todo mundo, você vai acreditar? Mas é mais ou menos isso. Todo mundo que depende de vendas de produtos ou serviços para outro alguém, precisa de um cartão de visitas.

O cartão de visitas serve para:

  • Profissional Liberais;
  • Profissionais que prestam algum tipo de serviço;
  • Profissionais que representam produtos ou empresas;
  • Pessoas que desejam passar uma imagem profissional;

profissionais

Para quem deseja ser levado a sério em uma reunião de negócios;
Para quem deseja sair do amadorismo e se tornar um profissional de verdade.

Como se pode ver, sim, o cartão de visita serve, praticamente, para todo mundo. Mas atenção, não é  qualquer cartão de visita. Ser representado por um pedaço de papel carece de cuidado, afinal, quem quer ser representado por um pedaço feio de papel?

Quando entregar o cartão de visita?

Como tudo na vida, a entrega de um cartão de visita carece de bom senso, sob o risco de se tornar piada como o famoso,

– Paraíba, tá aqui o meu cartão!

Não seja o personagem cômico e entenda como entregar os cartões de maneira assertiva fará com que os seus negócios tenham bastante sucesso.

Uma palavra que todo profissional com certeza conhece é “networking”, nestes eventos sociais normalmente acontece a troca de cartões de visita e, é o momento em que se aproveita para conhecer pessoas e elas vão lembrar como de vocês?

Pelo cartão de visita!

Logo depois de se apresentar presencialmente, é um bom momento para a troca de cartões: aperta a mão, troca o cartão.

Em uma reunião de negócios, uma visita para a empresa, etc… chegue, se apresente e entregue o seu cartão. Em uma mesa de reuniões com mais de um participante, é de bom tom, entregar um cartão para cada participante.

Quando você participar de um workshop, palestra, seminário, etc… também é indicado andar com cartão de visitas próximo, mas aqui, a regra é diferente. Não saia distribuindo cartão com todo mundo, somente para aqueles com quem você fizer contato e, para futuras conversas, o cartão realmente cabe.

Escolher o momento certo para a troca de cartões faz toda a diferença. Ansiedade, entregar cartão fora de hora e coisas do tipo acabam por queimar a sua imagem profissional. Fique tranquilo, inclusive, se você não der um cartão para quem é o seu alvo, monitore os próximos encontros e a situação com certeza irá aparecer.

Há um mantra entre vendedores para cartões de visita que diz: nunca os ofereça em um hospital, mas também nunca os negue. Isso quer dizer que você, a despeito de sempre estar com o seu cartão de visita com você, não deve usar circunstâncias íntimas para isso. Churrasco, Hospital, Shopping, aniversário, etc… não são os locais ideais para isso. Deixe que as pessoas insistam para isso, faça um charme. Isso valoriza a sua presença profissional.

Algo que é importante lembrar: você não é panfleteiro, aquele que sai entregando cartão por aí. Não! Você é um profissional e deve se portar como tal. Também é importante ressaltar que um profissional sempre está acompanhado de seu cartão de visitas. A falta dele mostra uma falta de compromisso, organização e profissionalismo da sua parte.

Por fim, tenha cuidado com o seu cartão sempre limpinho, retinho, cheirosinho, nada de jogar ele no bolso e entregar todo amassado. Tenha sempre à mão um porta cartões porque assim você garante a “integridade física” do seu cartão.

Quais são os papéis mais usados?

O tipo de papel usado em um cartão de visita também fala muito sobre ele. Assim como o layout é primordial, o papel traz uma mensagem forte. Por exemplo, uma empresa que se diz preocupada com o meio ambiente e tem isso no seu manifesto deve usar papel reciclado, ainda que não se possa fazer muitas mudanças com isso, a mensagem fica clara para o interlocutor que receber o cartão.

Mas a variação é enorme tipos de papel, corte, gramatura e muito mais, a partir de agora vamos te ajudar a entender cada o “papel” de cada papel na escolha do seu cartão.

Quais são os cartões mais comuns e suas gramaturas?

  • Couché Fosco – Gramaturas 250g e 300g
  • Couché Brilho – Gramaturas 250g e 300g
  • Offset – Gramatura 240g
  • Reciclato – Gramatura 240g
  • Couché 120g
  • Couché 150g
  • Couché 170g
  • Papel Offset 56g
  • Papel Offset 240g
  • Reciclato 90g
  • Reciclato 240g

Estes são os modelos mais impressos no Brasil. Claro, a depender do tipo de papel e da sua gramatura os preços se alteram sensivelmente.

Para os que não tem muita familiaridade, a gramatura do papel é basicamente o “peso” dele, ou seja, quanto mais “gramatura” tiver, mais grosso será o seu cartão, portanto, mais resistente também.

Muitos podem perguntar sobre a impressão caseira em cartões de visita, mas não. Por favor, não. Esse artifício não entrega a menor autoridade para você. Basicamente é papel e tinta jogados fora.

Tá, mas e qual é a gramatura ideal?

Ele não existe, depende de cada ideia, mas o mais normal, impresso, aceito e que normalmente atende a todos os segmentos é a gramatura 200g.

Acabamentos dos cartões de visita

Depois do layout e do papel o acabamento do seu cartão de visita faz toda a diferença, existe uma variedade de opções que afetam a apresentação dele e agora vamos discorrer em cada um deles, mas fica o spoiler desde já: o quanto você quer investir em cada formato é que dirá que tipo de acabamento você vai ter.

Vamos conhecer o que é cada um deles?!

Laminação Brilho ou Verniz

O mais comum entre todos, a laminação é um processo, que como o próprio nome entrega, é uma lâmina de plástico, tipo uma cobertura. Ele deixa seu cartão mais com mais brilho e também mais resistente.

Esteticamente, esse efeito traz certo requinte ao cartão.

Essa laminação também é conhecido por verniz ou “envernizado”. Sabe quando passa o verniz por uma madeira e ele fica brilhoso? Então, o sistema é o mesmo.

Também é possível fazer verniz em determinadas partes do cartão, na logo, principalmente, ou aonde o seu designer achar melhor.

Na hora da impressão é gerado um arquivo separado chamado máscara. Esse arquivo irá conter somente a área que receberá o verniz.

Há algumas pessoas que se incomodam por pequenas marcas de dedo que o verniz apresenta, algo normal no manejo dele, então, se você tiver algum tipo de toque, esse cartão não é para você.

Laminação Fosca

Basicamente o processo é o mesmo da laminação de brilho, uma película plástica aplicada e prensada.

Mas, e aí, e só aí muda, o efeito apresentado não é de brilho, é opaco ou fosco. Porém, essa solução tende a deixar o layout mais refinado, claro, depende de cada layout.

Então, se você acredita que o seu cartão tem um layout bacana e precisa apresentar para um público mais elitizado, esta opção é a sua melhor escolha.

Verniz Brilho

Também, basicamente repetindo o mesmo processo, só de que maneira muito maior, tem o acabamento de verniz brilhante nos impressos. Esse tipo de acabamento é usado, além de cartões de visita em diversos outros materiais impressos como capa dura, capa de revista, etc.

Hot Stamping

O mais querido dos último dois anos e detentor do título de acabamento mais caro, o Hot Stamping é maravilhoso.

Lembra da antiga tipografia, então… é quase isso, mas não tem tinta. Calma, que eu vou explicar esse processo.

Assim: ele é aquecido e pressionado contra uma fita e um metal. O metal esquenta e faz derreter o material sintético, a fita. O hot Stamping forma então um detalhe maravilhoso no seu cartão de visita. Ele tá um destaque tátil em logo ou pequenos textos. Mas atenção: não exagere, tudo que é demais não é bom. não exagere.

Relevo ou Alto Relevo

Procura entregar algo próximo do Hot Stamping mas não tão refinado. Ele também dá um destaque tátil a uma parte do cartão, como a logo. Mas atenção, esse formato só pode ser aplicado em cartões com 180 de gramatura ou mais.

Cortes

A partir de agora vamos entrar em outro campo bastante importante: o corte do cartão. Já imaginou cartão lindo, papel bom, layout maravilhoso e corte torto? Não dá, né? Por isso, não faz sentido. Então, vamos falar sobre isso.

Bordas Arredondadas

Um efeito muito bacana e absolutamente fácil de qualquer gráfica entregar, e nada mais é do que cortar os cantos do cartão para que ele fique com uma aparência diferente, elegante, mas ao mesmo tempo, despojada.

Furo

Pouquíssimo usado em cartões de visita, porém bastante usadas em tags e adivinha o que é: um furo. Nada mais é do que um furo na parte superior esquerda em que você pode passar um laço por exemplo. Indicado principalmente em finais e começo de ano quando sua empresa envia brindes aos clientes e assim pode “anexar” o seu cartão.

Refile

Mais comum de todas as impressões, nada mais é do que corte realizado no papel para deixar no formato do cartão. Apesar de simples, é aqui que os cortes errados acontecem. Então, toda a atenção é pouca.

Faca Especial

Neste formato quem manda é o preço e a criatividade. Porque você pode cortar o cartão (ou qualquer impresso) no formato que quiser. Por exemplo, imagine que você é um oftalmologista e quer um impresso em formato de óculos. Pode? Pode! Mas, como haverá muito desperdício de papel esse custo normalmente costuma ser bem alto.

E com quantas cores devo mandar fazer o cartão?

Quando você for pedir um orçamento, ou receber um orçamento irá receber coisas como:

  • 4×0
  • 4×1
  • 4×4

O que isso quer dizer? É o número de cores que o seu cartão terá, 4 cores na frente e uma no verso e assim, sucessivamente.

Agora…

Quantas cores você mandar imprimir? Essa decisão não é sua, essa decisão é do layout que foi aprovado junto com a sua marca. Pode ser por exemplo, 1×1, 1×0, não há qualquer problema nisso, é tudo questão de design.

Cada marca se porta de uma maneira e, por isso, é preciso um layout profissional é essencial antes de mandar imprimir ou tomar esse tipo de decisão.

Formato de Arquivo

O formato mais comum para entregar um arquivo em uma gráfica é PDF. Alta qualidade, 300 dpis (aqui varia de acordo com os elementos de cada cartão).

Algumas gráficas online exigem que o arquivo seja entregue em PDF X1A.

Um formato bastante comum na maioria das gráficas online, explicando de maneira simples, esse formato deixa seu arquivo mais seguro, ou seja, quem o recebe não consegue fazer alteração de layout, tamanho, etc…

Então, ainda que você opte por uma gráfica mais tradicional, o formato PDF x1a é o mais indicado

Layout do Cartão de Visita

O layout de cartão de visita é a sua vida, por isso, de nada adianta você investir um dinheirão em impressão, papel, acabamento, etc, se o seu layout não for bom.

Alguns pontos comuns que o seu cartão de visita devem ter:

– Nome
– Empresa
– Email
– Telefone
– Marca da empresa

Essa é abordagem mais comum, claro. Existem, abordagens e abordagens.

Há cartões, por exemplo que apenas trazem o nome da empresa e da pessoa.

Mas vamos lá, uma abordagem mais comum do layout de um cartão de visita moderno tem:

Frente:

  • Logo da Empresa
  • Nome e cargo da pessoa
  • Site

Verso:

  • QR Code de contato
  • Nome
  • Email
  • Telefone

Essas informações variam bastante e basicamente que cabe mais ao designer que concebeu o seu cartão do que para você ou a gráfica.

Vertical ou Horizontal ?

Vamos combinar que tanto faz?

Vamos.

Mas…

A maioria dos cartões de visita que você conhece são na vertical ou na horizontal?

Entendi, São na horizontal e por isso você quer fazer diferente, mas, pense no seguinte:

A maioria dos porta cartões são na horizontal ou na vertical?

Pronto, aí está a sua resposta.

A criatividade vai até o limite da sua eficácia.

De repente, vale a pena ser conservador no layout do cartão e pensar em outros tipos de materiais para expressar a sua criatividade.

Qual tiragem devo fazer?

Para quem não está habituado com o termo, isso se refere ao número de unidades de algum impresso. Qual é a quantidade de cada cartão, normalmente, quanto mais cartões, mais barata fica a unidade.

Essa conta deve ser feito baseado em uma série de fatores, por exemplo, o layout do seu cartão é trocado de quanto em quanto tempo? A partir disso, qual é a sua capacidade em “distribuir” esses cartões.

A conta é razoavelmente simples.

– O número de visitas que você é capaz de fazer

– Uma média de quantos cartões você distribui por mês

– O número de vezes que você pretende o layout desse cartão.

Vamos a um exemplo prático:

Você realiza 5 visitas por dia e distribui um média de 3 cartões por visita, ou seja, você usa 15 cartões por dia somente em visitas.

15 X 22 = 330 cartões no mínimo por mês.

Além disso, há encontros casuais, restaurantes, etc…

Em média, sugere-se, nesse caso, você ter disponível 370 cartões po mês.

Se você trocar de layout a cada 12 meses, por exemplo teríamos:

370 X 12 = 4440

Aí está a sua tiragem aproximada.

Espero que essas dicas tenham te ajudado a entender melhor o mundo dos cartões de visitas e tudo que ele oferece 😉

Até o próximo texto.